Você está aqui  Página Principal  Notícias
NOTÍCIAS
Assembleia de 28 de Outubro de 2011

No dia 28 de Outubro de 2011, no Hotel Tryp Colina do Castelo, em Castelo Branco, realizou-se a assembleia do Lions Clube de Castelo Branco (Centro), presidida pelo Presidente CL João Carlos Tonilhas.

No dia 28 de Outubro de 2011, no Hotel Tryp Colina do Castelo, em Castelo Branco, realizou-se a assembleia do Lions Clube de Castelo Branco (Centro), presidida pelo Presidente CL João Carlos Tonilhas.
Pelas 21 horas, o Presidente declarou aberta a sessão, segundo a fórmula do protocolo – “Em nome de Deus e pela grandeza da Pátria” – e pediu à Cª Isabel Tonilhas que lesse a Invocação, cujo texto aqui se reproduz:
 
INVOCAÇÃO
Só Deus pode criar
Mas tu podes valorizar o que ele criou.
Só Deus pode dar a vida.
Mas tu podes transmiti-la e respeitá-la.
Só Deus pode dar a fé.
Mas tu podes dar o teu testemunho.
Só Deus pode infundir a esperança
.Mas tu podes dar confiança ao teu irmão.
Só Deus pode dar o amor.
Mas tu podes ensinar o outro a amar.
Só Deus pode dar a alegria.
Mas tu podes sorrir para todos.
Só Deus pode dar o perdão.
Mas tu podes oferecê-lo aos que te ofendem.
Só Deus pode dar a paz
Mas tu podes facilitar a concórdia.
Só Deus é o caminho.
Mas tu podes indicá-lo aos outros.
Só Deus é a luz.
Mas tu podes fazê-la brilhar nos olhos dos outros.
 
Só Deus pode fazer milagres.
Mas tu podes ser aquele que traz os cinco pães e os dois peixes.
 
Só Deus pode ser o Todo Poderoso.
Mas Ele preferiu contar contigo
(Autor desconhecido)
 
De seguida o Presidente convidou para saudar a Bandeira Nacional o CL Alírio Beirão Lopes Serrasqueiro, para saudar a Bandeira do Município o CL José Maria Gouveia Ferreira e a Bandeira do Clube o CL Manuel Candeias da Costa.
Leu o Código de Ética do Lionismo o CL Álvaro Manuel dos Reis Baptista.
Feita a entrega da direcção da sessão ao Director Social, o CL António Manuel da Costa Bernardo Barata pediu à Assembleia  que de pé, se guardasse um minuto de silêncio em memória do sogro e pai dos Companheiros Presidente e esposa Cª Isabel Tonilhas.
No Momento de trabalho, o CL Secretário leu a acta de 14 de Outubro em curso, que posta à discussão e votação, foi aprovada por maioria c om uma abstenção do CL que não estivera na assembleia.
O CL Tesoureiro disse que na Tesouraria tudo estava em ordem.
A CL Maria Amélia Costa, Presidente da Comissão de Enxovais, deu conhecimento da entrega de um enxoval de bebé a mãe carenciada. O CL Alves Pacheco, Presidente da Comissão do Boletim e da Comissão de Programas, informou estarem inseridos no site do Clube os Boletins 133 e 134, ambos com algum atraso sobre a compoisção e sobre a realização do upload no site, mas que, pedida a ajuda do CL António Afonso, foram afastadas as dificuldades que impediam a inserção nos conteúdos.Quanto à Comissão de Programas, chamou a atenção para o desdobrável do Programa desta sessão e em particuar para a Invocação. Terminou pedindo aos Companheiros e Companheiras a elaboração de textos para o Boletim, de modo que seja obra de todos e não de dois ou três, e de Invocações de que viessem a tomar conhecimento, para serem inseridas nos desdobráveis da próximas assembleias.
No Momento da Instrução Lionística, o Presidente da Comissão de Instrução Lionistica, deu conta do tema desta palestra – “ Os Delegados do Clubes e o direito de voto nas Convenções” – cujo texto está escrito mas que, pela sua extensão, entende dever resumir em vez de ler. Depois de justificar a sua preferência pela leitura dum texto, - diz-se o que se quer dizer e se pensou - deu conta da discussão já longa, face ao disposto no Estatuto e Regulamentos Internacionais, que conferem aos Delegados dos Clubes o direito de voto livre sobre todos os assuntos e eleições havidas na Convenção em que estão credenciados, e o sentido de voto que os Clubes deliberaram em assembleia dever ser expresso pelos seus Delegados naquelas Convenções para que foram credenciados – voto, portanto, predeterminado e não livre.
Sucintamente, o CL Alves Pacheco deu conhecimenrto da norma constante do Estatuto e Regulamentos Padrão de Lions Clubes, em que se confere primazia às disposições dos Estatuto e Regulamentos da Associação Internacional, excepto se os Estatuto e Regulamentos Padrão dispuserem diferentemente sobre o mesmo assunto, que será, se assim for, o procedimento a adoptar, salvo se o Estatuto e Regulamenrto Próprio do Clube dispuser de modo defrente de um e do outro dos Estatutos  e Regulamentos Internacionais e Padrão, sendo então de observar o que se determinar no Estatuto e Regulamentos Proprios dos Clubes.
Acontece, disse, que os Estatuto e Regulamenros Pardrão dos Clubes e que o Estatuto e Regulamentos próprios do nosso Clube nada determinam quanto ao voto dos delegados credenciados pelos Clube.
Resulta daqui, sem sobra de dúvida, que os delegados credenciados pelos Clubes têm, segundo o Estatuto e Regulamentos Internacionais, únicos que regulam este direito dos delegados, o direito de voto livre em todos os assuntos e eleições que tiverem lugar. E, votou, está votado, sem discussão.
Mas, perguntou o Companheiro, se o Clube tiver deliberado, quando discutiu os documentos e as pessoas a eleger para os cargos directivos, em sentido diferente, do voto expresso pelo seu delegado, este procedimento não terá consequências?
Depois de recordar que os Delegados só são credenciados depois de, no Clube, estar decidido o sentido de votos dos seus Delegados à Convenção, o Companheiro Alves Pachecco disse que o procedimento do delegado que votou em sentido contrário ao deliberado pelo Clube, sem justificação, é de tal modo indigno que é passível, em seu parecer da sanção da demissão, quer tenha votado no clube em sentido do que obteve vencimento quer no sentido oposto. Se aceitou a credencial sob reserva mental, mais grave é a sua conduta. Ao votar em sentido oposto ao deliberado pelo Clube o delegado não usou o direito que o Estatuto e Regulamentos Internacionais conferem aos delegados, antes abusou do seu direito. Mostrou que não é a pessoa moralmete idónea que foi admitida como sócia do Clube. Daqui decorre, incontornavelmente, a sua exclusão do quadro social.
A terminar, o CL Alves informou que o texto escrito será inserto no próximo Boletim do Clube.
No momento de Companheirismo, a CL Isabel Jorge dirigiu ao Clube o convite para participar no jantar e na conferência que terá lugar neste mesmo Hotel, no dia 18 de Novembro, sobre “A Procriação Medicamente Assistida”.
O Director Social fez a devolução da sessão ao CL Presidente que informou ter enviado a todos so Companheiros o Calendários das reuniões de Direcção e de Assembleia do 2º Semestre, de estarem designados os dias 28 de Janeiro e 28 de Abril de 2012 para angariação de fundos, respectivamente, nas instalações do CL João Pedro, no Lirião, e nas instalações do PCC Fernando Jorge, no Ponsul, tendo sido suprimida a obrigação da oferta das sobremesas pelos Companheiros.
A terminar, pediu à CL Isabel Jorge que fizesse a crítica da sessão, o que a Companheira aceitou, embora, disse, não tivesse sido avisada previamente de que lhe seria pedido o desempenho desta tarefa. Foi agradável e de louvor a crítica da CL Isabel. Parabéns, Companheira.
Regista-se a presença nesta assembeia dos Companheiros Alírio Beirão Lopes Serrasqueiro e mulher, Álvaro Manuel dos Reis Baptisdta e mulher, Franscisco Dias Alves e mulher, António Monteiro Borges, Maria Eugénia Borges, Francisco Luís Nisa Dias Rato e mulher, Maria Amélia Ferreira Pinto Costa, António Maria Felino e mulher, Gracinda Gil Silveira, José Augusto Alves Pacheco e mulher, João Carlos Tonilhas e mulher, Fernando Marques Jorge, Isabel Jorge, Margarida Tavares Conceição, António Teixeira Afonso e mulher, José Maria Gouveia Ferreira e mulher, António Manuel da Costa Bernardo Barata.
Newsletter
  Nome
  E-mail
 
 
CAMPANHAS