Você está aqui  Página Principal  Notícias
NOTÍCIAS
ASSEMBLEIA DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011

Aberta a sessão, segundo a fórmula protocolar “ Em nome de Deus e pela grandeza da Pátria “, CL Presidente João Carlos Tonilhas convidou a CL Gracinda Silveira para ler a Invocação, a conhecida Oração ao Deus Deconhecido, da autoria de Nietzsche, em tradução feita por Leonardo Boff, que aqui se transcreve:

  Aberta a sessão, segundo a fórmula protocolar “ Em nome de Deus e pela grandeza da Pátria “, CL Presidente João Carlos Tonilhas convidou a CL Gracinda Silveira para ler a Invocação, a conhecida Oração ao Deus Deconhecido, da autoria de Nietzsche, em tradução feita por Leonardo Boff, que aqui se transcreve:

 

“Oração aos Deus Desconhecido”

“Antes de prosseguir em meu caminho e lançar o meu olhar para

frente uma vez mais, elevo, só, minhas mãos a Ti na direção de

quem eu fujo.

A Ti, das profundezas de meu coração, tenho dedicado altares

festivos para que, em cada momento, Tua voz me pudesse chamar.

Sobre esses altares estão gravadas em fogo estas palavras:

"Ao Deus desconhecido”.

Seu, sou eu, embora até o presente tenha me associado aos

sacrílegos.

Seu, sou eu, não obstante os laços que me puxam para o abismo.

Mesmo querendo fugir, sinto-me forçado a servi-lo.

Eu quero Te conhecer, desconhecido.

Tu, que me penetras a alma e, qual turbilhão, invades a minha vida.

Tu, o incompreensível, mas meu semelhante, quero-Te conhecer,

quero servir só a Ti”.

 

Para saudação às Bandeiras o CL Presidente convidou o CL Mário Minhós para a bandeira do Clube, o CL Gouveia Ferreira para a bandeira do Município e a CL Margarida Conceição para a bandeira Nacional. Para a leitura do Código de Ética convidou a CL Margarida Conceição.

 Em breves palavras, o CL Presidente expressou a sua preocupação pela falta de frequência dos CCLL nas Assembleias, tendo andado a pensar no modo de os cativar e os atrair às Assembleias e actividades do clube.

Por ausência do Director Social, por motivo de saúde, pediu ao CL Alves Pacheco para assumir tais funções.

Iniciou o CL a sua intervenção, agradecendo a confiança nele depositada pelo CL Presidente.

Saudada a Assembleia, o Companheiro deu inicio ao cumprimento do programa, depois de ter sublinhado as preocupações do CL Presidente João Tonilhas. Citou então uma passagem do Evangelho de Lucas, aquela em que Jesus lhes diz “Duc im altum”, faze-te ao largo, ordem qua os discipulos acataram, bem sabendo que durante toda a noite tinham pescado sem sucesso. Lançaram as redes e a pesca excedeu quanto se podia esperar.

Também nós, na crise em que estamos mergulhados, temos de fazer-nos ao largo, na esperança de que voltemos à participação de todos os Companheiros  nas nossas assembleias. Há que reflectir sobre este momento de indiferença e apatia e sobre o que vamos fazer para o debelar.  Recordou os serviços relevantes realizados pelo clube, esperando que os companheiros caiam na realidade e respondam de futuro como eficiência e disponibildade.

 

Por haver convidados foi efectuada a apresentação Lionística.

 

No momento de trabalho, o Secretário CL Gouveia Ferreira informou não dispor de qualquer correspondência recebida e que as actas disponíveis para leitura não podiam ser concretizadas dada a falta de “quorum” constitutivo.

  

Seguiu-se a Tesouraria, tendo o o Tesoureiro CL  Dias Alves informado estar tudo em ordem.

 A Comissão de Enxovais presidida pela CL Maria Amélia Pinto informou terem sido entregues dois enxovais, no valor de 80€ e 75€, respectivaente.

 

No Momento da Instrução Lionística, o Presidente da Comissão, CL Alves Pacheco, falou sobre o momento que o Clube vive. Disse:

 

 

Tudo entre nós está em crise. Esta é sentença que ninguém põe em causa. Estão em crise o País, as Instituições, as Empresas , as Pessoas.

Os políticos são corruptos, dizem.

As empresas entram na falência; todos os dias dão entrada processos nos Tribunais.

Os funcionários públicos e os empregados das empresas privadas não rendem, diz-se.

Todos querem emprego, mas poucos querem  trabalho.

Há Instituições do Voluntariado que vegetam.

Até os Lions Clubes estão em crise, incluindo o nosso Clube.Todos o dizem.

Alguém me dizia há dias que um nosso Companheiro se queixava de  que o seu Clube apenas realizava 3 assembleias com jantar em cada ano lionístico. Mas isto não me conforta e seguramente não conforta cada um de nós.

 

1

Para fazer face à nossa crise, a nossa, a do nosso Clube, em 2009, o PCC Fernando Jorge e o CL Álvaro Baptista apresentaram uma proposta cujo objectivo era debelar a falta de frequência e a mora dos pagamentos da quotização.

A proposta foi aprovada, salvo erro, em 4 e em 19 de Novembro de 2009.

Não obstanta a violência que a caracterizava, falharam os dois objectivos.

A razia era tal que, se aplicada à letra e com a violência do que determinava, em Junho de 2010 ficaríamos no Clube 10 sócios foráneos, um sócio honorário, um sócio privilegiado e 8 sócios activos (CL Sofia Jorge, CL Vaz Lourenço, CL Nisa Rato, CCLL António Barata, Monteiro Borges, Gouveia Ferreira, António Felino e Alves Pacheco).

 2

Numa Instrução Lionística de 2010, falei do estado de indiferença do Clube e da esperança que me merecia o novo elenco directivo e a frequência daquele dia. Houve quem não gostasse do que eu disse, mas desejou boa sorte ao C lube.

Estava presente o CL Marques da Silva que perguntou, no período de perguntas/respostas, se eu ainda acreditava que o Clube tinha salvação.

Acredito, disse-lhe, vindo-me essa esperança da numerosa asembleia deste dia e do novo quadro directivo, apostado em dar a volta à situação.

 

3 . Será que hoje, eu ainda acredito na “ressurreição” do Clube?

É sobre isto que quero deixar o meu testemunho, neste momento de Instrução Lionística.

Acredito ainda na “ressurreição” do Clube, pergunto de novo?

 

4

A proposta de 4 e 19 de Novembro for revogada recentemente.

Fundamento da revogação - violência de cumulação da quota de jantar com multa; ilegal – os que justificavam nada pagavam e deviam pagar o jantar, porque a proposta não podia alterar os Estatuto e Regulamentos próprios do Clube; os que não justificavam, pagavam em duplicado.

Objectivo da Proposta: - fomentar, repito, a frequência das assembleias e o pagamento atempado da quotização.

Resultado: - não conseguiu o objectivo e,

SE APLICADA COM TODO O SEU RIGOR – hoje, como já disse, seríamos 8 os sócios activos. Veja-se o que se determinava na proposta: se o sócio tem três faltas consecutivas ou 5 alternadas deve ser demitido na reunião seguinte da Direcção.

Não é isto que está no Estatuto e Regulamentos Padrão nem nos Estatutos e Regulamentos próprios do Clube.

Nova ilegalidade da proposta, portanto.

 

5

SIGNIFICADO DA REVOGAÇÃO:

Com medidas violentas não conseguimos as metas que desejamos. Mas

Com o faz-de-conta de que tudo está bem, não conseguimos as metas desejadas, não conseguimos nem os 85% de frequência das assembleias que Lions Internacional considera adequada, nem a participação nas actividades do Clube (No rastreio de diabetes e tensão arterial, em Santo André das Tojeiras estávamos 13, contando as 2 Companheiras não Lions).

 

6

A minha esperança de 2010:

Não resultou.

Já falei do resultado depois da proposta da 2009.

Da frequência depois da minha esperança, no AL em curso:

Veja-se:

Reuniões de Direcção, - todas sem quorum constitutivo

Reuniões de café – Todas sem quorum constitutuivo.

Reuniões com Jantar- em 3 reuniões 2 não tiveram quorum constitutivo.

Significado: “o pântano não mexe, As águas estão paradas, podres e pestilentas, embora o cheiro se não sinta.

É um pântano e devia ser um rio sempre em movimento.

 

7

 Poucos dos que aqui estamos, muito poucos, atrevo-me a dizer, sabem avaliar o frio, a tristeza, a desolação, a amargura que nos invade quando participamos numa assembleia ou numa reunião a que faltam sistematicamente mais de metade dos que deviam comparecer.

E sabem acaso o que significa aprovar decisões quando nem sequer se formou o quorum constitutivo da reunião ou da assembleia? Decisões que são ilegais? Por que se tomam, pergunta-se. – Porque, se assim não for, o Clube paralisa.

 

8

O que me admira é que os Past Presidentes faltem, eles que sentiram o frio das assembleias sem quorum.

O que me admira é que os Past Presidentes Imediatos faltem, eles que sentiram com funda amargura essa desolação.

Será que querem vingar-se? De quem? Dos que compareceram? Dos que faltaram? Mas estes continuam a rir-se dos que vêm!

Não sei dar resposta. Sei é que não entendo, nem acredito na vingança.

 

9

Penso que é a altura de parar e reflectir.

Isto não pode continuar.

Se pode continuar, como ética e lionisticamente correcto, que alguém me desminta neste momento.

Se não pode continuar nos termos em que vem funcionando, pergunto:

Que vamos fazer?

Mantemos o Clube, expulsando sem mais quem falte sem prévia justificação a 4 reuniões de assembleia? Demitindo o membro da Direcção que falte sem prévia justificação a mais de 4 reuniões?

Mantemos o Clube, convidando os faltosos a demitir-se para não serem demitidos por falta de frequência? E demitimo-los, se não o fizerem?

 

Será que os Companheiros que sempre comparecem terão de fundar um Clube, aqui perto, no Retaxo ou em Cebolais de Cima ou em Escalos de Cima, para ele se transferindo logo que fundado e recebida a Carta Constitutiva?

E os que aqui ficarem vão manter o Clube?

Como? Sem reuniões, sem actividades?

Com reuniões sem quorum constitutivo?

À espera de que a Carta Constitutiva seja cassada?

À espera de que o Clube morra por inacção?

 

Vamos reflectir, todos juntos, na esperança de achar remédio para os males que nos afectam. Mas não adiemos mais. Um dos Evangelistas narra que Cristo na última Ceia disse a Judas, o que tens a fazer, fá-lo depressa.

Companheiros, o que tens a fazer vamos fazê-lo depressa. Já. Hoje, que amanhã pode ser tarde.

Dá a tua achega. Fala. Propõe o que nos pode tirar desta apagada e vil tristeza.

Hoje. Já. Agora. Nesta assembleia. No momento de Companheirismo.

O que tens a fazer fá-lo depressa.

 

No Momento de Companheirismo, alguns Companheiros, a instâncias do Director da Sessão, pronunciaram-se sobre o tema da Instrução Lionísitca, acabada de proferir.  

O CL Dias Alves referiu a idade avançada da maioria dos CCLL e ser menor a disposição. Recordou que, em seu parecer, a amizade é o que nos une e ser preciso dar uma alma nova ao clube. A CL Esmeralda disse ser muito esquecida e precisava de contacto para lembrança das actividades. Gostaria de actividades dinâmicas e alegres para participação. O CL Manuel Candeias disse que não é só a responsabilização dos CCLL nas actividades, mas que a rigidez do protocolo não ajuda a vida do clube.

O CL Alves Pacheco pediu propostas e sugestões concretas para este estado crítico do clube. “Vamos deixar o passado recente e olhemos o futuro. Que futuro queremos?“, disse. O CL Gouveia Ferreira lembrou a calendarização aprovada e que é do conhecimento de todos os CCLL e que cada um tem de ser responsável, sem necesidade de avisos para participar.

 Encerrado o momento de companheirismo, o director da Sessão devolveu a sua direcção ao CL Presidente João Tonilhas, que pediu desculpa aos convidados pela sessão um pouco viva e informou estar a tentar trazer pessoas convidadas ao clube para realização de palestras e assim tornar as sessões interessantes e activas.

 

 

Newsletter
  Nome
  E-mail
 
 
CAMPANHAS